TROMBOSE

TROMBOSE
Escrito por Kayo Dutra

Existem três tipos de trombose: trombose venosa profunda (TVP), trombose arterial e trombose hemorroidária. No caso da primeira, acontece quando uma ou mais veias coagulam em um determinado local da parte inferior do corpo, normalmente, nas pernas.

Já a trombose arterial é quando trombos se formam nas artérias, bloqueando a passagem deste vaso sanguíneo. A trombose hemorroidária é quando a hemorroida apresenta formação aguda de trombos, ocasionando o desenvolvimento de um nódulo de aparência arroxeada na região anal. Geralmente, o paciente sente fortes dores na região.

O que é Trombose?

Classificada como aguda ou crônica, a trombose é caracterizada pela formação de coágulos sanguíneos na parte interior de veias e artérias. Normalmente, esse quadro é apresentado por pacientes com varizes ou que ficaram por muito tempo deitado ou senado, como em viagens de avião. Pessoas que tomam hormônios por decorrência de alguma cirurgia ou gravidez também costumam apresentar esse quadro.

Em qualquer um dos casos, o uso de medicação e tratamento correto deverá ser urgente. Isso porque o coágulo de sangue pode fluir por meio da corrente sanguínea até os pulmões ou cérebro, implicando em um uma embolia pulmonar e, no pior dos casos, uma trombose cerebral, podendo levar a morte.

Quais os sintomas?

Os sintomas para cada tipo de trombose são diferentes. Variam de acordo com o lugar onde houve obstrução das veias:


  • Trombose nas pernas:

Um dos casos mais comuns de trombose, registrado por pacientes, acontece na região das pernas. Os principais sintomas envolvem dores, inchaço, vermelhidão no local, além de um enorme calor na parte afetada. No entanto, a trombose pode ocorrer nos braços ou em algum outro lugar do corpo, onde há lentidão na passagem do sangue.

Os coágulos sempre terão maior probabilidade de se desprender, caso estiverem localizados nas partes mais altas da perna, como nas coxas. Por conta disso é importante fazer revisões com especializas, periodicamente.


  • Nos pulmões:

A Embolia pulmonar, conhecida também como “infarto pulmonar” e “tromboembolismo pulmonar”, caracteriza-se por um quadro grave, que se inicia quando um trombo se solta da pele e os vasos do pulmão são bloqueados. Falta de ar, cansaço e uma série de tosses são um dos principais sintomas quando os coágulos percorrem até os pulmões. Dificuldade para respirar também é um sintoma muito comum neste caso.


  • Trombose cerebral:

Os sintomas variam entre dificuldades para falar, formigamento ou paralisia em algum lugar do corpo, alterações na visão. Todos estes sintomas são os mesmos de um AVC (Acidente Vascular Cerebral). Todavia, cabe destacar que, dependendo do lugar onde ocorreu a obstrução venosa, os sintomas podem não aparecer de cara.

Caso seja registrado algum sintoma de trombose, se faz necessário a procura por um médico especializado para a realização de exames, como tomografia e ultrassom. Feito isso, o paciente poderá iniciar o tratamento de forma inadequada.


Existe tratamento?

Sim, existe um tratamento para cada tipo de trombose. Ele é feito com medicamentos anticoagulantes que impedem o crescimento de novos e velhos coágulos. Dois desses medicamentos, muito comuns na cura da trombose, são: Heparina e Varfarina. O processo dura em média 3 meses, podendo ser prolongado de acordo com o tamanho do coágulo.

Em casos mais extremos, existem os remédios trombolíticos, usados quando a trombose chega ao nível de uma embolia pulmonar, por exemplo. Os mais comuns são: Estrepnoquinase e Alteplase, aplicados diretamente na veia e usados por um período de sete dias pelo paciente, que deve permanecer em internação.

Em último caso, existe a cirurgia para a trombose, realizada em casos graves de trombose venosa profunda. Quando os remédios não são suficientes, ocorre o procedimento cirúrgico para a retirada dos coágulos sanguíneos.

Uma das principais recomendações durante o tratamento é evitar ficar sentado com as pernas para baixo e sempre usar meias de compreensão. Dependendo da gravidade do ocorrido, o paciente precisará passar por internação.

Entretanto, apenas um médico especializado poderá dizer qual medicamento é mais indicado para cada caso. Assim como, a quantidade e a dosagem adequada. O paciente deverá seguir as orientações médicas e, em hipótese alguma, se automedicar.

Quais as causas?

Existem alguns fatores que são responsáveis pelo desencadeamento de uma trombose, são eles:

  • Infecções graves;
  • Uso de medicamentos hormonais;
  • Fase final de gestação;
  • Situações em que a pessoa permanece por muito tempo parado.

A trombose também pode ser um fator hereditário. Algumas pessoas carregam no sangue uma desordem, capaz de facilitar a coagulação de vasos sanguíneos. Combinada com os fatores citados acima, a hereditariedade, ou hioercoagulabilidade, pode causar riscos maiores para o portador.

Fatores de risco

Além das causas citadas acima, existem alguns outros fatores que ocasionam a trombose, como idade avançada, colesterol alto e predisposição genética.

 Como se prevenir?

Para prevenir a trombose é necessário manter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos regularmente e beber muita água durante o dia. Isso permitirá que o sangue circule, diminuindo a chance de coagulação e evitando que placas de gordura se acumulem nos vasos. No entanto, deve-se voltar à atenção para algumas coisas, como:

  • Não fumar;
  • Manter o peso equilibrado e dentro do IMC;
  • Após algum tipo de cirurgia é conveniente colocar o corpo em movimento;
  • Diabéticos e hipertensos devem seguir uma dieta rigorosa e não parar a medicação;
  • Praticar regularmente exercícios físicos;
  • Mulheres cuja idade seja superior a 35 anos, devem tomar cuidado com o uso de pílulas anticoncepcionais.

Pessoas com varizes, que trabalham muito tempo sentadas ou em pé, recomenda-se usar meias elásticas de média compreensão. Outra dica é separar alguns minutos para movimentar-se, caminhar um pouco e fazer com o que sangue circule pelo corpo.

Este artigo foi útil?

Você gostou das informações disponibilizadas neste texto? Não se esqueça de comentar aqui embaixo. Caso tenha ficado alguma dúvida ou queira nos dizer algo pertinente, não hesite e nos envie uma mensagem.

Obs: Este texto não substitui o diagnóstico de um médico especializado. Qualquer que seja o sintoma apresentado procure um médico!

Aprenda mais sobre a doença em wikipedia.org.

Sobre o autor:

Kayo Dutra

Deixe seu comentário